Marcadores

15 bons motivos 365sorrisos abertura abhyasa adhomukha svanasana ahimsa alegria alimentação alinhamento alma amizade amor Ana Borella Analu anjali mudra ansiedade aparigraha aprendizado aquieta a mente ardha uttanasa arrependimento artrite arvore do ioga asana ásana asana do mês ashtanga vinyasa yoga atitudes atma Aula de yoga aulão aulas de yoga auto-estudo balão balasana bambu Bioenergética BKS Iyengar caminho caridade Casa do Yogue cautela centro comunitário chacras ciclo menstrual cifose cobra compaixão condução consciência consciencia corporal consciência corporal contentamento coração corpo cortisol cotidiano crença criança Dalai-Lama Débora Rey desapego Desikachar Deus devoção dia mundial sem carro diabetes dicas para a pratica disciplina disco disposição divulgação documentário dor doula eficaz emagrecimento emoção encontro entrega envelhecimento envoltórios equilíbrio escolha espaço de yoga essencial estabilidade estatística estresse estudar ética ética universal eventos evolução experiência Fabiana Rodrigues fadiga falatório felicidade férias fertilidade fibromialgia filme flexibilidade Floripa frequência cerebral funcionamento das células Gandhi Ganesha gestantes Geta Iyengar girassol glicemia Glória Arieira gratidão guruji habilidade hatha yoga Hermógenes honestidade Horários humildade Ibirapuera informação insônia intensivo interno Introdutório I inverno invertido invocação a Patanjali invocações Iswara Iyengar Iyengar em Pinda Iyengar em Taubaté Iyengar Yoga Iyengar Yoga em Pinda Iyengar Yoga em Pindamonhangaba jabuticabeira juntos karma yoga kriya kuruntha leitura leveza liberdade Ligh on Yoga lista livros lixo tóxico Lois longevidade lua luz mandala Mandala yoga mantra mãos em prece Marcos Rojo mat mauna meditação meio ambiente moderação motivos mudança músculos nada nadis Namaskar narinas natureza novidade nyamas obesidade infantil obrigação olhar om ondas cerebrais oração Paramahamsa Yogananda parivrtta trikonasa partner yoga parto paschimottanasana passado Patanjali paz paz no dia a dia perdão perfeição pesquisa Pinda Pindamonhangaba Poema Se poluição postura power yoga prakiti pranayama PranaYoga Journal pratica prática prática constante pratica pessoal pratyahara prazer presença pressão alta professor props puja purusa recomeçar refém reflexões religião remédios respiração restaurativa restauro resultado retorno rigidez rosa sadhana sala de yoga samskara sanscrito santoscha satchakra saudação ao sol saúde savasana sentimentos Shiva Sidarta Gautama significado silêncio simplicidade sistema imunológico sistema linfático sol sorriso surf Surya surya namaskar tapas tensão torso humano trajetória transformação união útero vairagya Vale do Paraíba valores vedanta vela verdade viparita karani Viver yoga pela paz vulnerabilidade Workshop yamas yoga yoga em Pinda yoga em Pindamonhangaba yoga em Taubaté yoga no bosque yoga para mulheres yoga para todos yoga pela paz Yoga Terapia Hormonal Yogananda yogues

segunda-feira, 24 de abril de 2017

TAPAS É SER MAIS FORTE QUE AS PRÓPRIAS FRAQUEZAS - Pedro Kupfer

Este título nos lembra o propósito dessa prática, por vezes mal compreendida, que é o tapasTapas é uma palavra sânscrita que deriva detap, que significa “tornar-se ardente”. O termo usado para dizer chama ou brilho, tejas, vem da mesma raiz. Ou seja: na palavra tapas temos embutida as ideias de luz, calor, fogo ou radiância, símbolos que nos lembram a importância da motivação ao realizar quaisquer ações.
Tapas é o terceiro preceito de conduta dos niyamas, o segundo grupo de recomendações dadas pelo sábio Patañjali no Yoga Sutra. Embora possamos de fato traduzir tapas corretamente como disciplina ou austeridade, uma tradução mais exata seria “esforço sobre si mesmo”.
Yoga é um dos caminhos que complementam o autoconhecimento, no processo que conduz à liberdade, moksha. Sendo este um caminho essencialmente prático, muito facilmente tendemos a pensar que devemos seguir regras para realizá-lo. Como uma dessas “regras”, evidentemente seria fazer tapas, podemos cair na armadilha de achar que devemos nos forçar na prática até que as coisas comecem a fluir de maneira mais fácil e espontânea.
 O método.
Embora um esforço seja realmente necessário ao praticar (assim como para realizar qualquer outra ação), devemos aplicar o bom-senso para compreender exatamente o que significa fazer tapas. O curioso é que praticar tapas tem menos a ver com seguir regras e mais a ver com descobrir em si mesmo a real motivação para praticar. Pessoalmente, não gosto da palavra disciplina. Disciplina me lembra regras a serem seguidas mecanicamente e, muitas vezes, contra a própria vontade.
Tapas é perceber as limitações provocadas por crenças ou hábitos mecânicos – as tais “fraquezas” mencionadas no título, e ser capaz de crescer através delas. No entanto, ao invés de olhar para essas limitações como um monstro de sete cabeças, posso ver a possibilidade do crescimento como um jogo.
Essa mudança de perspectiva me leva a ter uma atitude mais afirmativa, mais leve e menos solene em relação ao que significa auto-superação, já que não vejo a disciplina como uma tábua de salvação, nem os obstáculos a serem superados como forças superiores às minhas próprias.
Praticar tapas, nesse contexto, torna-se uma atividade estimulante e desafiadora, independentemente do tipo de prática que estivermos fazendo, pois nasce da motivação e do foco no objetivo primordial, que é a possibilidade de conhecer a si mesmo como alguém livre de quaisquer limitações e, portanto, pleno e feliz.
Quando esse meu objetivo não está suficientemente claro, perco com facilidade o foco e a concentração, e o tapas se dilui. Se não souber exatamente o que busco com a prática, naturalmente a motivação se perde e, distraidamente, buscarei outra atividade mais “estimulante”.
 Pranayama e surf.
Gosto de ver o tapas como um desafio-brincadeira, no sentido que, como praticante, eu poderia escolher, ou não, realizar uma determinada ação. Por exemplo, numa prática de pranayama (respiratórios), temos a possibilidade de reter o ar. “Vamos ver o que acontece se permaneço mais alguns segundos com os pulmões cheios, antes de expirar”, pode propor o praticante para ele mesmo.
Expandir a prática neste caso seria, usando o bom-senso, observar os limites reais da capacidade pulmonar e realizar a ação de superar o padrão respiratório mecânico ou vegetativo, mas sempre com o cuidado de não se violentar. Nesse sentido, cabe lembrar que, com toda a importância que otapas possa ter ele é, fundamentalmente, uma expressão de ahimsa, a não-violência, que é a regra de ouro e o pilar de todas as práticas do Yoga, dentro ou fora da sala.
O mesmo acontece noutras situações da vida real. Um surfista, naturalmente, começa sua relação com o mar escolhendo ondas não muito fortes, que sejam, digamos assim, “gerenciáveis” pelas suas próprias forças e habilidades. Com o tempo e a repetição vem a experiência. Com a experiência vem a confiança e, junto com ela, a capacidade de investigar e expandir os limites, indo para além daquilo que, por exemplo, o medo pode nos indicar como sendo o tamanho limite de uma ondulação que escolhemos surfar.
Assim, ao completar de maneira bem sucedida uma onda, o surfista pensa: “bom, se não caí nesta, posso escolher outra um pouco maior ou um pouco mais cavada”. Não obstante, se ele se deixar dominar pelo medo, não irá se dar a chance de investigar e expandir aquilo que sua crença limitante possa estar lhe mostrar como sendo o limite.
 Ousadia.
Na Antiguidade, Colunas de Hércules era o nome dado aos dois promontórios a ambos os lados do  Estreito de Gibraltar, que separavam o então familiar mar Mediterrâneo do ignoto e potencialmente perigoso Oceano Atlântico. Sobre elas, Hércules, o herói grego, hasteou uma bandeira com a frase non plus ultra, que significa “não [ir] mais além”, indicando que aquele era o fim do mundo e que ninguém deveria ousar investigar o que havia depois daquele ponto. O Imperador Carlos V, depois da descoberta do Novo Mundo, colocou no escudo da Espanha uma modificação dessa frase que era um sinal dos tempos novos que haviam começado, bem como da expansão das fronteiras do mundo conhecido: plus ultra, ou “mais além”.
Talvez o surfista possa ultrapassar os limites impostos por seus medos e descobrir possibilidades impensadas dentro do mar. Talvez exista um mundo inteiro para ser descoberto dentro de você mesmo, tendo o tapas como guia e a liberdade como objetivo. É só uma questão de tentar, e estar disposto a crescer através e para além das próprias fraquezas. 

Boas práticas!
Namaste!
Publicado originalmente na revista Prana Yoga Journal: www.eyoga.com.br 
imagem: Google

    terça-feira, 5 de julho de 2016

    PRÁTICA FIRME - Yoga pode melhorar o bem-estar de sobreviventes de derrame (Joelle Hann)

    Dois meses de Yoga, praticado duas vezes na semana com um yogaterapeuta, pode melhorar o equilíbrio e a pressão arterial de vítimas de derrame, segundo novo estudo patrocinado pelo Departament of Veterans Affairs nos EUA. 
    Os pacientes do estudo, que fizeram posturas, técnicas de relaxamento e meditação por oito semanas, estavam céticos de início, diz a coordenadora da pesquisa Arlene A.Schmid.
    Ao final, quando a maioria dos participantes mostrou melhoras significativas no equilíbrio e menos medo de cair, "eles falavam como todo mundo deveria fazer yoga," ela diz.

    Pílula publicada na, hoje extinta, Yoga Journal Brasil - mar/abr 2014
    Forte abraço! Namaste