Marcadores

15 bons motivos 365sorrisos abertura abhyasa adhomukha svanasana ahimsa alegria alimentação alinhamento alma amizade amor Ana Borella Analu anjali mudra ansiedade aparigraha aprendizado aquieta a mente ardha uttanasa arrependimento artrite arvore do ioga asana ásana asana do mês ashtanga vinyasa yoga atitudes atma Aula de yoga aulão aulas de yoga auto-estudo balão balasana bambu Bioenergética BKS Iyengar caminho caridade Casa do Yogue cautela centro comunitário chacras ciclo menstrual cifose cobra compaixão condução consciência consciencia corporal consciência corporal contentamento coração corpo cortisol cotidiano crença criança Dalai-Lama Débora Rey desapego Desikachar Deus devoção dia mundial sem carro diabetes dicas para a pratica disciplina disco disposição divulgação documentário dor doula eficaz emagrecimento emoção encontro entrega envelhecimento envoltórios equilíbrio escolha espaço de yoga essencial estabilidade estatística estresse estudar ética ética universal eventos evolução experiência Fabiana Rodrigues fadiga falatório felicidade férias fertilidade fibromialgia filme flexibilidade Floripa frequência cerebral funcionamento das células Gandhi Ganesha gestantes Geta Iyengar girassol glicemia Glória Arieira gratidão guruji habilidade hatha yoga Hermógenes honestidade Horários humildade Ibirapuera informação insônia intensivo interno Introdutório I inverno invertido invocação a Patanjali invocações Iswara Iyengar Iyengar em Pinda Iyengar em Taubaté Iyengar Yoga Iyengar Yoga em Pinda Iyengar Yoga em Pindamonhangaba jabuticabeira juntos karma yoga kriya kuruntha leitura leveza liberdade Ligh on Yoga lista livros lixo tóxico Lois longevidade lua luz mandala Mandala yoga mantra mãos em prece Marcos Rojo mat mauna meditação meio ambiente moderação motivos mudança músculos nada nadis Namaskar narinas natureza novidade nyamas obesidade infantil obrigação olhar om ondas cerebrais oração Paramahamsa Yogananda parivrtta trikonasa partner yoga parto paschimottanasana passado Patanjali paz paz no dia a dia perdão perfeição pesquisa Pinda Pindamonhangaba Poema Se poluição postura power yoga prakiti pranayama PranaYoga Journal pratica prática prática constante pratica pessoal pratyahara prazer presença pressão alta professor props puja purusa recomeçar refém reflexões religião remédios respiração restaurativa restauro resultado retorno rigidez rosa sadhana sala de yoga samskara sanscrito santoscha satchakra saudação ao sol saúde savasana sentimentos Shiva Sidarta Gautama significado silêncio simplicidade sistema imunológico sistema linfático sol sorriso surf Surya surya namaskar tapas tensão torso humano trajetória transformação união útero vairagya Vale do Paraíba valores vedanta vela verdade viparita karani Viver yoga pela paz vulnerabilidade Workshop yamas yoga yoga em Pinda yoga em Pindamonhangaba yoga em Taubaté yoga no bosque yoga para mulheres yoga para todos yoga pela paz Yoga Terapia Hormonal Yogananda yogues

segunda-feira, 11 de junho de 2012

Mantras


Por: Greice Costa

Afinal, para que servem os mantras?
É possível que você já tenha entrado em contato com um mantra antes mesmo de fazer um asana. Em muitas aulas de Yoga, há a invocação de certos mantras em homenagem à prática ou ao guru - como nas aulas de Iyengar. Mas você sabe por que entoamos os mantras? Pedro Kupfer dá a idéia básica:

Para que servem os mantras?
A palavra mantra significa em sânscrito "instrumento para o pensamento [adequado]" ( man = pensamento, mente; tra = instrumento). Basicamente, um mantra é um som que tem um significado e tem como objetivo lembrar algo importante para o praticante. Esse som pode consistir em um monossílabo, como o mantra Om, uma frase curta, como Om Gam Ganapataye namah ("eu saúdo Ganesha, o deus-elefante"), ou uma estrofe de 24 sílabas, como é o caso do Gayatri mantra. O mantra pessoal é prescrito tradicionalmente por um mestre, em função da necessidade do praticante.

Como podemos usar os mantras na prática? Por exemplo, quantas vezes podemos entoá-lo?
Tradicionalmente, um número razoável de repetições é 108. Para um mantra polissilábico como o Gayatri, por exemplo, isso significa uns 20 minutos por prática. No entanto, há práticas como o purashcharana, em que se fazem 1000 repetições diárias até completar 2.400.000 ao cabo de sete anos. Isso totaliza 100.000 repetições por cada uma das 24 sílabas do mantra.
Outra maneira de usar os mantras é associar a sua repetição mental com a respiração, como no caso do ajapa japa, técnica que consiste em acompanhar a observação da respiração com a mentalização do mantra so'ham.

O que precisamos fazer para entoá-lo (ficar no silêncio, fazer mentalizações, etc)?
O Kularnava Tantra nos ensina que há três formas de fazer um mantra: mentalmente, murmurando, e em voz alta. Dessas maneiras, considera-se que o mantra murmurado seja mais poderoso que aquele feito em voz alta, e que o mantra feito mentalmente seja mais eficiente que o murmurado. No entanto, a mesma escritura nos aconselha a mudarmos de técnica quando percebermos que estamos perdendo a concentração ou quando estamos nos distraindo, passando da repetição mental para a verbalização em voz alta ou vice-versa. É possível também associar o mantra com um yantra, um símbolo. Por exemplo, ao gayatri mantra corresponde o yantra do mesmo nome, que pode ser visualizado mantendo-se os olhos fechados ou focalizado com eles abertos durante a meditação.

Quais são os efeitos do mantra?
Os mantras têm a capacidade de servir como foco para que a mente se concentre. Ela tem a sua própria agenda e difícilmente pode ser controlada. Se você percebe essa dificuldade na sua meditação, significa que sua mente é totalmente normal. Respire aliviado, pois isso acontece com todo o mundo. Seu trabalho durante o mantra consiste justamente em trazer incessantemente a mente de volta para o som do mantra e refletir sobre seu significado. Isso traz como conseqüência o aquietamento da mente. Essa paz mental não é um fim em si mesmo, mas um meio para conseguir o discernimento, para preparar-se para a libertação, moksha. Muito embora os mantras possam ser usados para relaxar, combater a ansiedade ou o estresse, esse fim não deve ser esquecido.

Como funcionam?
Conhecer o significado do seu mantra, se você tem um, é fundamental. Tem pessoas que afirmam que os mantras não têm significado, ou que saber o que o mantra quer dizer não é importante, para afastar a desconfiança dos cristãos, ou para apresentar a prática da meditação sobre eles como algo "científico". Se o mantra foi especialmente escolhido para você, como é que ele não tem significado? Como posso confiar na eficiência desse mantra ou nas boas intenções de tais professores? O Rudrayamala , um texto antigo de Yoga, diz: "Os mantras feitos sem a correspondente ideação são apenas um par de letras mecanicamente pronunciadas. Não produzirão nenhum fruto, mesmo se repetidas um bilhão de vezes." Mantras sem significado não funcionam. Todo mantra sânscrito significa alguma coisa ou aponta para algum aspecto da realidade, adequada como tema de reflexão para cada praticante.

E por que cantá-los em sânscrito?
Na tradição hindu, os mantras são considerados Shruti, revelação. Isso significa que esses sons não foram criados por um autor humano, mas percebidos em estado de meditação pelos sábios da antigüidade, chamados rishis. Esses sons descrevem as diferentes revelações que estes sábios tiveram, e servem como indicadores para orientar os humanos em direção ao autoconhecimento. Por exemplo, os mahavakyas, as grandes afirmações da tradição dizem: aham Brahma'smi, "eu sou a Consciência do universo", tat tvam asi, "tu és Isso (Brahman)", etc.
A língua sânscrita é considerada uma língua revelada, portanto sagrada, assim como o aramaico, o hebraico ou o latim o são para a religião judaico-cristã. Como língua, o sânscrito tem a virtude de conseguir comunicar nuanças de significados muito sutis, e sua vibração sonora produz efeitos não somente na mente mas também, por ressonância, nos corpos energético e material.
#Matéria publicada originalmente na YJ #5 - http://yogajournal.terra.com.br/

Nenhum comentário:

Postar um comentário